Maktub em fogo brando

Passava das dez da noite de uma terça-feira quando quebrei a tampa da minha panela, uma Le Creuset. A famosa Creuza (como diz a Fer), de ferro fundido esmaltado, que deveria durar uma vida, de fundo abaulado, foi ao chão. Justo a favorita companheira do ano em que estive longe, com quem acertei a sopa de tomate mais gostosa, arrisquei com sucesso na lentilha branca, amaciei por horas a fio a carne ao molho de vinho, empapei o arroz de todo dia e o basmati com açafrão, desmaiei um frango ao curry, deixei derramar pelo minúsculo fogão algo que nem lembro mais. A mesma que ocupou preciosos quilogramas na franquia da bagagem por medo de perdê-la no furdunço da mudança.

Segurava as alças com um bom pano de prato seco e as duas mãos, na intenção de escorrer qualquer coisa na pia quando, na cena que revivo ainda hoje nas horas mais inconvenientes, a coisa toda balançou. Num reflexo baixei os braços esticados o mais possível, salvei a panela e o que havia dentro, mas derrubei a tampa, fazendo um estardalhaço no piso, uma rachadura medonha de fora a fora e uma lasca no esmalte que expôs a carne, digo, o ferro.

Eu quebrei a tampa da minha panela. Não, esperem. Na língua em que vivi naquele ano, diria que foi a tampa que me escapou das mãos, como explicado por este artigo aqui. O idioma espanhol é bastante mais preciso em incidentes assim… não há culpado, só fatos. E como sabem doer, esses fatos! Aconteceu de a tampa pular fora, ignorar a garantia vitalícia, quebrar o contrato e romper com a intenção de envelhecer junto da panela, não mais abafar o calor nem participar dos cozinhados. Em espanhol, a culpa não foi da panela abandonada, nem minha. Era pra ser assim.

Era pra ser, não era pra ser. Quando a perplexidade atrasou o grito, a amiga já estava a postos. Olhos arregalados apesar do sono e cansaço do dia longo, me abraçou em palavras enquanto ainda segurava nas mãos a panela quente. Você tá bem? Quebrou? Deve ter garantia, leva na loja, que chato, nem sei o que dizer, quer ajuda, você vai ficar bem? Salvou-se a panela? E agora, o que você vai fazer? Ai, quer dizer, que hora pra perguntar isso… não sei o que dizer. Certeza que não dá pra colar, não tem conserto, não tem volta?

Sem conserto, sem volta, nem uma chance ou pedido duns meses pra viver outras coisas. Com impressionante e devastadora frieza comunicou a decisão no sopetão da queda, covarde ou corajosamente, sem jogar na panela mágoa, raiva ou levá-la na marra ao chão. Ainda hoje posso ouvi-la dizendo aquele “não estou feliz“. É, fato. E como podem doer, esses desgraçados fatos!

Dizem que a maior dor/estresse que um ser humano pode passar depois da perda de um ente querido é a separação. Sinto a dor da panela separada da tampa, encostada na área de serviço, exposta ao pó, ao calor e ao temporal, recusando-se a voltar a sentir a chama do fogão. Estão as duas sob o mesmo teto, civilizada e estranhamente arranjadas em prateleiras diferentes há um mês e meio num lugar que passou de aconchego a silenciosa agonia, deixou de ser um lar. É, a panela passa por uma espécie de luto.

Ela tenta se revestir de coragem, esmalte intacto a olhos nus, embora vazia, errática e surrealista como se num pesadelo derretesse prateleira abaixo. Quer sair desse parafuso, já que mesmo sendo forte e se saber sobrevivente da queda, reconhece sua fraqueza e pede colo pros potes plásticos mais próximos, conversa com a frigideira vermelha e a chapa azul (desde sempre e por definição sem tampa), aconselha-se com outras panelas de ferro, maiores, essas sim firmes e fortes com suas respectivas tampas, algumas até deram cria a coloridas e fofas miniaturas que, na infinita sensibilidade infantil, chegam com abraços, beijos e brincadeiras. Percebe, então, que é tempo de pensar no que realmente importa e deseja a quem vê pela frente um Feliz Ano Novo, reconhecedora de que gentileza e carinho são como cozinhar, uma dádiva que faz bem a quem recebe e ainda mais a quem oferece. Simples assim, porque assim tem de ser.

Olho para a panela aflita e fantasio encontros com minhas avós. Sento a Vó Nair no sofá, passo hidratante em suas mãos tremelicantes e braços craqueladinhos de 80 anos, escancaro minha dor e ouço que tudo vai ficar bem, que pra todo pé cansado tem um chinelo velho e que em breve encontrarei outra tampa pra minha panela, pergunta se sou eu que vou dormir na casa dela neste fim de semana, nos acomodamos na cama de casal, ela ronca, passo a noite em claro a lutar contra os mosquitos. Ganho um abraço apertado da Vó Dinah e os óculos de gatinho, pretos como seus cabelos, marcam minhas bochechas, ela esbraveja contra essa tampa e todas as outras, reclama das fugidas do vô, me chama pra ajudar a fazer o almoço de domingo prum batalhão, tomamos as duas um remédio pra dor de cabeça e dormimos no sofá da sala com a televisão ligada. Ao acordar, estamos as três na mesma casa, tomamos café em silêncio, pois nada mais precisa ser dito.

Era pra ser, não era pra ser, vai passar, foi infinito enquanto durou, não há mal que sempre dure nem bem que nunca acabe, estava escrito, maktub. Repasso mentalmente edulcorantes clichês, na certeza de nada é tão simples ou de repente como parece. Feito lulas num imperceptível e dissimulado fogo brando, tampa e panela cozinharam por demais, passaram do ponto, infelizmente. Mas sempre aceitei o revés culinário como parte do aprendizado e passo aqui para contar à Leitora e ao Leitor queridos que essa panela dá sinais de vida e vai voltar a cozinhar, nem que seja só pra ela. Aproveito pra dizer que estamos bem, dentro de toda essa confusão, e que em 2011 estaremos mais presentes por aqui. Ah, e  Feliz Ano Novo!



16 comentários em “Maktub em fogo brando

  1. Fer Guimaraes Rosa

    Querida Fer, como sempre nem sei o que dizer frente à sua imensa doçura e criatividade. só sei que enquanto te lia, quebrei algo aqui–sem querer, mas em solidariedade. Seu ano vai ser único! Um lindissimo 2011 pra voce! um beijo,

    Responder
  2. Luciana Betenson

    Fer, só você para conseguir transformar uma história de panela quebrada num texto tão filosófico e cheio de poesia. Li com tanto gostoso que quebrei aqui também umas lágrimas pela sua panela. Que ela, agora, de muletas, possa aprender a preparar pratos que não necessitem de suas pernas. Beijos querida! Um super mega hiper dupper 2011 para você :-)

    Responder
  3. Bruninha

    Sempre fui uma leitora silenciosa do seu blog, nunca tive palavras para escrever aqui, mas, depois de tanto tempo de silêncio chegar aqui e receber um texto tão emocionado quanto este me fez escrever.
    Seu blog está entre meus favoritos e senti falta de suas palavras de poesia gastronômica nos meus dias.
    Abraço e bom 2011.

    Responder
  4. Maria Mendes

    Fer, li o seu post ontem e fiquei tão tocada quanto sem palavras… Foi necessário esperar um dia para a poeira assentar – como se diz. Incrível a sua delicadeza e poesia!
    Entretanto, ainda estou sem palavras…
    Só me resta desejar a vc todo o conforto que vc merece (e aqui incluo todas as comidinhas gostosinhas e cremosinhas, todas as canjas, os mingaus e pures de que se pode precisar…)
    E que 2011 traga novos amores e muitas receitas novas para sua panela experimentar!
    beijos

    Responder
  5. Lucio

    Alguns poderiam dizer “já não fazem mais panelas como antigamente”, mas não acredito nesse fatalismo nostálgico: Hoje os tempos são outros, as receitas são outras, a comida é outra, e até as panelas (e paneleiros rs) são outras. O importante é que a panela te proporcionou muita coisa boa, fez parte da sua vida, da sua evolução, e ainda te proporcionou – graças ao seu talento de ‘cozinheira alquimista’ – um post maravilhoso como esse.
    A vida é isso, é muito compreensível que os melhores aprendizados e crescimentos doam. E as adversidades, ah, são elas que nos fazem, elas que são o material que nos desafia, nos empurra, nos faz crescer, nos faz produzir, nos superar.. E você mostrou que sabe disso muito bem nesse texto!

    Responder
  6. ozana

    meu sonho é ter uma panela Le Creuset… tenho somente uma chaleira e só de imaginar que pode acontecer isso com ela, já fiquei triste…

    Responder
  7. Pernelle

    Cara Dadivosa ou a autora das belíssimas páginas.
    Boa noite!
    Seus textos são lindos, repletos de conteúdo, criatividade e completamente inspirados!
    Parabéns mil vezes!
    A sra. é uma escritora, pelo amor de Deus, escreva um livro!
    Porém, faço uma resalva. ………………….
    Nenhuma receita…………….nenhuma…………………nenhuma…………..
    Apenas seus grandiosos textos.
    Estou perplexa, faz tempo que não leio nada tão completo, leve……..Sem muita explicação…………..repito, a sra. é uma escritora, minha sugestão é que aproveite seu talento.
    Desejo-lhe sucesso !
    Fraternos cumprimentos.
    Pernelle.

    Comentários de uma Pedagoga.

    Responder
  8. Karla

    Querida Fer,
    o bom da vida é que não há mal que dure para sempre.
    Um abraço caloroso, cheio do desejo que a Páscoa seja realmente uma passagem pra dias cheios de cores, alegrias, amores e vida nova.
    Bj

    Responder
  9. Leilah Matos

    Uns dos textos mais lindos que já li. Senti a dor pela panela quebrada. A gente sempre acha que uma Le Creuset dura pra sempre, mas a vida às vezes nos prega peças. Porém, existe a adaptação, a superação, e não importa a panela, importa o que se cozinha dentro dela, o alimento – do corpo e da alma-, o perfume/aroma que faz suspirar, o calor reconfortante. Sei que vc vai encontrar tudo isso novamente em uma nova panela, de ferro, de barro, não importa…=)
    Bjos!

    Responder
  10. Terezinha

    Bom dia!
    Que você tenha um dia muito feliz e cheio de inspiração para fazer lindas, interessantes e agradáveis postagens como as que encontrei no seu Blog.
    Abraços e fique com Deus.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Post aleatório

Tempero de Frango #1

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail