Receitas

Escritos

O Café do Alfaiate

16 de fevereiro de 2018

Utensílios afiados, apetrechos para medir, ingredientes que preenchem muitas e coloridas prateleiras, olhos bem treinados, mãos ágeis e ao mesmo tempo cuidadosas, um pouco marcadas por uma espetada aqui e uma queimadura acolá, a obra que toma corpo no calor de muitos graus e uma assinatura inconfundível e despretensiosamente aplicada. Sempre falo que o sapateiro olha pro sapato, expressão que ouvi pela primeira vez em resposta ladina e desconcertante do namorico de uma prima quando ela, baixinho e com as

Carta para a Tatu

5 de novembro de 2017

Porque cozinhar é conviver.

Bolo de Laranja da Vó Nair

12 de fevereiro de 2016

O bolo de laranja da Vó Nair apareceu por aqui em 2007. Rodou o mundo e hoje volta com uma foto mais bonita. Para bater com a mão, deixar esfriando no muro e contemplar os últimos raios de sol do dia.

Quando eu era velha

16 de fevereiro de 2015

Quando eu era velha, não sabia que aos 40 seria tão criança.

De madeleines e chocolate

25 de março de 2014

Todo mundo tem uma madeleine, um pão de queijo, uma carne assada de panela, um feijão com ovo frito. Máquinas do tempo aos goles e bocados, a comida tem mesmo o poder de levar a gente pro passado… ou de fazer sentir de verdade o presente.

Retrospectiva 2013

31 de dezembro de 2013

Quando 2013 for apenas mais um objeto obscuro e obsoleto nas já despencantes prateleiras da memória, quando eu soprar os números entalhados na madeira e alisar a superfície na tentativa de lembrar o que aconteceu naqueles dias, terei ao menos a certeza de que foi um ano bom…

O ovo ou a galinha

28 de agosto de 2013

A necessidade de escrever ou a vontade de cozinhar? A minha comida ou a tua fome? O que veio primeiro?

Preguiça é amor

8 de agosto de 2013

“Isso é preguiça ou amizade?”, ela pergunta. “É amor!”. E Leonard Cohen me fez lembrar que nem só (talvez muito pouco, quase nada) de menus elaborados vivem os amantes…

Oito.

24 de abril de 2013

Um é o cara. O primeiro, o único, o melhor. O mais solitário, um café e a conta, a saideira. Dois é casal, parzinho, duo, díptico, dupla, olhos, orelhas, mãos, pernas. Três é realeza, triunvirato, número primo, tríade, trindade, pai-filho-espírito-santo, sangue-suor-e-lágrimas…

Por quê?

15 de abril de 2013

Tantos motivos pelos quais escrevo aqui… mas no fim das contas quem manda é mesmo o coração, que não existe só para ficar espetado acima da brasa. Pode, muito bem, virar um delicioso ensopado de coração de galinha com vinho.