Aos domingos

Letra de Vó
Letra de Vó

Aos domingos, nem todos, nem sempre, Dinah fazia macarrão, que abria com um rolo fino e comprido como cabo de vassoura (acho que era mesmo um).

Uma versão miniatura do mesmo cabo era entregue à neta-grudinho. Além do tamanho, algo mais o diferenciava da versão adulta: dois delineados perfeitos 50 à guisa de olhos, dois pontinhos para formar o nariz e um coração esmagado para ostentar uma boca larga, sinuosa, mezzo Oscar Niemeyer, mezzo Carmem Miranda. 

Às mãos da pequena cabia não a faina de esticar massa para uma aglomeração (podia-se, à época), mas a nobre missão de criar os chapéus e penteados que viriam a transformar em boneca o toquinho de madeira serrado e polido com zelo. 

Dinah se foi antes de completar 55 verões escaldantes, a algumas semanas do aniversário de 5 anos da neta, que hoje coleciona chapéus, cozinha pensando nela e chora sempre sempre sempre que se lembra da boneca de toquinho de vassoura.

Publicado originalmente no Instagram, para onde vão fagulhas do dia a dia que, se viram lampejo aos olhos, coração ou barriga de mais gente, podem passar por uma breve revisão e parar aqui.



2 comentários em “Aos domingos

  1. Dinah M. M. Rigoli

    Amei a estória e saber que uma xará foi uma Avó tão amorosa como a minha, sou Dinah assim como a minha e a sua Avó, boas lembranças dela e de suas receitas que me remetem a dias tão felizes…
    Abraços
    Dinah

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail