Capellini Arabinho

Quando a mãe me levava com ela ao centro da cidade, era mandatório parar na Panificadora Brasília para um lanche. Bombas de chocolate, croissants, bolos, tortas, brigadeiros, sonhos, balas e sorvetes não eram páreo para minha iguaria preferida.

Aos cinco anos, não eram os doces que faziam meu coraçãozinho recém-alfabetizado bater feliz. Minha paixão vinha mesmo era das arábias e nada tinha de confeitaria: um quibe crocante por fora, úmido por dentro.

Dou-me conta agora de que todas as vezes em que cheguei de mudança, para um novo estado, cidade ou país, uma diligência pelas redondezas para localizar um restaurante árabe sempre estava nos planos da primeira semana.

Junto com um bom mercado, a farmácia mais perto, o número do ponto de táxi e um cabeleireiro de confiança, saber onde encontrar coalhada seca (que depois aprendi a fazer),  charutinhos de folha de uva, pão-folha, quibes, esfihas e temperos arabinhos consiste para mim em item de primeira necessidade.

A receita que segue é por assim dizer uma leve inspiração, uma combinação de sabores que estava como fixação no campo das idéias e que precisava ser consumada o quanto antes.

Ingredientes:

  • 1 abobrinha pequena
  • 1 colher de sopa de azeite
  • pitada de sal
  • 1 colher de sopa de zattar (e mais para decorar)
  • 1 colher de chá de tahine (pasta de gergelim)
  • 1 colher de sobremesa de sumo de limão
  • 2 colheres de sopa bem generosas de iogurte natural
  • 1 colher de chá de açúcar
  • 1 punhado de macarrão tipo capellini (ou a massa de sua preferência)
  • água com sal para cozer a massa

Como fazer:

  1. Ponha a água para ferver. Enquanto isso, corte a abobrinha em tiras finas.
  2. Aqueça o óleo em uma frigideira grande e deite ali a abobrinha picada. Adicione uma pitada de sal e deixe refogar por um minuto.
  3. Junte o zattar e mexa. Dissolva ali o tahine, junte o limão e mexa mais um pouco.
  4. Incorpore o iogurte natural, abaixe o fogo e deixe ferver por um ou dois minutos até ficar com a consistência mais cremosa. A colherinha de açúcar vem agora para quebrar um pouco a acidez. Desligue o fogo.
  5. A essa hora a água já deve estar borbulhante e pronta para receber o capellini. Em três minutos ele estará pronto, não mais.
  6. Escorra bem o macarrão, junte-o ao molho da frigideira e dê mais uma remexida.
  7. Sirva imediatamente polvilhado com zattar.

O rendimento é parco, dá para uma pessoa com fome moderada, mas o Leitor e a Leitora podem multiplicar a receita à vontade. O limite será o tamanho de suas panelas, o apetite de suas barrigas e a paixão pelo tempero árabe.



10 comentários em “Capellini Arabinho

  1. Srta.T

    Dadivosa, que receita boa!
    Desde pequena eu também sou apaixonada pela comida e pela cultura árabe… venho de uma cidade do interior de São Paulo (São José do Rio Preto) que tem muitos imigrantes. Fui bailarina de dança do ventre por quase 6 anos! Minha mãe tem muitas amigas de ascendência libanesa ou síria e sempre prepara essas receitas… aliás, o homus de mamãe é divino!
    Agora só falta a receita do charutinho de folha de uva… me deu água na boca!
    Beijos!

    Responder
  2. Samis

    Olá !!
    Eu sou filha de libaneses,morei no líbano 7 anos !aprendi as 1º coisas na cozinha com uma tia lá !coalhada sempre fez parte do meu café da manhã 😉
    Realmente a culinária lá é muito saborosa ,eu amo tabule ,amo amo amo !!rsrsrs
    toda vez que alguem vem de lá ,eu peço para minha tia me enviar:kohl(pintura para os olhos),zaatar,misk e pinoles !os pinholes de lá são muito bons .
    Beijokas

    Responder
  3. Leilah

    Tb adoro comida árabe, pena q moro num ‘lugarejo’ q não tem restaurante árabe nem chinês (nem preciso dizer o qto eu passo mal aqui né?! rs)
    Dadi, vc sabe fazer coalhada seca é? Mto difícil? Menina, sou tarada por coalhada seca! =)

    Bjos!!

    Responder
  4. Cinara

    Dadi, também sou vidrada em quibes, amiga!! Pode ser frito, assado ou cru, pode mandar que eu traço! ;o) E esta sua “massa árabe” parece deliciosa… Nham! Beijinhos

    Responder
  5. Dadivosa

    Pessoas queridas, peço desculpas pela demora em responder os comentários, mas garanto que os leio todos!

    Elvira, esse pratinho foi devorado em 1,2 3 🙂

    Srta. T, o charutinho de uva vou ficar devendo por enquanto, tá? Trata-se de uma receita simples, porém trabalhosa. Minhas mãozinhas desastradas ainda não chegaram nesse nível de proficiência culinária, careço de um pouco de coragem para me aventurar e muitas folhas de uva extras para arruinar!

    Cláudia, pois é. Para mim também era, mas encasquetei com os ingredientes e “mandei a brasa”, como diz minha vogra.

    Samis, que privilégio ter aprendido a cozinhar por aquelas bandas! Você pelo jeito é muito da dadivosa, hein?

    Leilah, é fácil fácil! Publiquei um passo a passo ilustrado aqui. E também tem mais explicações aqui. Fique à vontade para me perguntar qualquer coisa se tiver dúvidas, ok?

    Valentina, reza a lenda que há ascendentes turcos na família da minha mãe, mas infelizmente acho que é apenas uma pirraça com o tino comercial de alguns dos meus tios. De qualquer modo, a vida me deu de presente uma vogra palestina e, por conseguinte, um marido meio arabinho 😀

    Cinara, lembrei agora que nas festinhas de aniversário eu esquecia da vida e dos outros quitutes quando tinha aqueles mini-quibes hahahah

    ;***

    Responder
  6. Leilah

    Dadi, obrigada pela atenção! Parece simples até…vou tentar fazer…só mais uma dúvida: Onde encontro esse saco? Será que dá pra substituí-lo?
    Bjos!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Post aleatório

Um Paradoxo

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail