Rosbife Wolverine

Dizem que uma alimentação rica em carboidratos é capaz de acalmar e reconfortar o coração. Não deve ser à toa que recorremos ao risoto, à massa, ao pão e aos doces em casos de coração partido, saudades, cansaços, dengos e carências em geral.

Dizem também que uma dieta carnívora, por conseguinte, traz consigo uma dose extra de inquietação e agressividade, estocando-nos com proteínas e preparando os músculos para que, tal e qual homens e mulheres das cavernas, possamos enfrentar mais um dia de luta.

Dei-me conta, portanto, de onde vinha essa urgência por um boi semi-vivo em plena quarta-feira: carecia de pujança e garra para enfrentar o resto de uma semana selvagem!

Um belo rosbife de filé mignon selado com pimenta foi a escolha da vez. Direto e reto, sem agendas ocultas disfarçadas de recheio ou cobertura, sem cortes melindrosos ou molhos elaborados, intrépido e corajudo, quase desacompanhado, um lobo solitário, praticamente um Wolverine gastronômico!

Entre o ato de rasgar o pacote da carne até o corte das suculentas fatias – crocantes por fora, mas ainda vermelhas por dentro – passaram-se exatos vinte minutos.

Ingredientes:

  • Uma boa peça de filé mignon (infelizmente não conferi o peso,  mas creio que devia ser algo em torno de um quilo)
  • 1 colher de chá de grãos de pimenta-do-reino preta
  • 1 colher de sopa de pimenta rosa
  • sal grosso ou granulado a gosto (meia colher de sopa rasa, mais ou menos, vai depender do tamanho da peça de carne)
  • azeite para selar a carne e untar a forma

Como fazer:

  1. A primeira providência é ligar o forno na temperatura máxima para preaquecer. Lembre-se de que o rosbife está sempre alerta, pronto para ser lançado à fogueira, não necessita de preâmbulos.
  2. Quebre as pimentas pressionando-as com a lateral de uma faca grande, ou faça como eu: bata-as com vontade num pilão. Não devem ser reduzidas a pó, entretanto. É importante senti-las nos dentes ainda, uma lembrança rústica para contrastar com o macio da carne.
  3. Esfregue o sal sobre a carne com as mãos e sem salamaleques.
  4. Na tábua de carne ou numa travessa, pressione as pimentas quebradas na peça de carne. Manuseie, mexa, aperte, dê-lhe socos se preciso for para que grudem bem.
  5. Enquanto isso, deixe uma frigideira larga aquecendo. Derrame nela um fio de azeite e, quando estiver bem quente, deite ali sua peça de carne cravejada de pimentas. Sssssshhhhhhhhhh… Vai fazer barulho e talvez um pouco de fumaça. Tanto melhor!
  6. O processo agora é de selar a carne, dourando-a por completo para que os sucos intensos permaneçam em seu interior. Basta um minuto em cada face da peça, contanto que a frigideira permaneça em fogo alto e poderoso.
  7. Deite o rosbife já dourado sobre uma assadeira untada com azeite e leve-o ao forno quente por exatos dez minutos.

Se desejar, aguarde uns cinco minutos antes de fatiá-lo à mesa com os golpes precisos de uma faca ou de garras metálicas bem afiadas. E liberte aqueles seus sentimentos mais viscerais de sobrevivência nesse mundo louco comendo como se não houvesse amanhã!



21 comentários em “Rosbife Wolverine

  1. Vicki

    Gatinha, domingo tenho um evento (sessão de um filme polêmico na casa de amigos. Longa história…) e ainda não sabia o que levar. Acredita que disseram “ah, leva uns doritos aí do super!”. Por pouco não me ofendi! Este rosbife me deu uma excelente idéia, apesar de nunca ter feito algo semelhante. Amanhã de manhã vou testá-lo, pois se não funcionar me contentarei com os doritos…
    Aproveitando o tema “carnes”, te pergunto algo não tão selvagem: será que tu não tem uma receita de croquete, meu prato preferido no mundo? 🙂 Um beijo

    Responder
  2. Quezia

    Dadi, que prático o seu rosbife!!
    Mas eu que não gosto muito de comer carne “mugindo”, devo deixar quanto tempo no forno pra que a carne fique mais bem passada?

    Responder
  3. Karla

    Que rosbife delicioso, Dadi.
    A minha mãe faz um com um molhinho ferrugem que é de cormer rezando.
    Nunca consegui fazer igual, vou tentar a sua receita é bem prática e parece infalível.
    Um lindo fim de semana.
    Beijo

    Responder
  4. Cláudia

    Muito prático o seu rosbife. Além de deixar-nos preparadas para os dias mais selvagens, deixa-nos menos estressadas nos dias com menos tempo. Tudo a ver com a época em que vivemos. Um beijo.

    Responder
  5. Eugenia

    bom finde, Dadizinha. O rosbife parece incrível. Vou conferir se a Vicki levará mesmo a peça de carne, pq estarei no mesmo evento q ela..risos… e te direi se ficou boa.

    Responder
  6. Dadivosa

    Vicki, minha vó Dinah fazia os melhores croquetes do mundo. Ela moía carne assada no moedor manual, moldava os bichinhos, passava na clara e farinha de rosca e fritava. Talvez você consiga fazer usando o processador. Nunca tentei fazer em casa, querida, mas vou procurar uma receita mais certinha. E sucesso com seu Wolverine!

    Patrícia, e o Hugh Jackman, hein? Hein? 😀

    Quezia, nesse caso você vai precisar cobri-lo com papel alumínio para não ressecar e deixar de vinte minutos a meia hora no forno. Abra, veja se está bom e devolva ao forno ou sirva com alegria.

    Karla, esse nem molhinho tinha, mas fiquei interessada na receita de sua mãe!

    V, peço mil desculpas pela foto escancarada. Cheguei a pensar em não publicá-la por conta do Leitor e da Leitora que não comem carne. Espero que tenha se recuperado do susto, serei mais cautelosa da próxima vez.

    Cláudia, bem observado. Foi muito prático,fácil e rápido.

    Geórgia, dá pra ouvir essa foto, né?

    Leilah, é o Hugh Jackman que, segundo nos informou a querida Patrícia, teve de ser encolhido digitalmente no filme porque tem quase dois metros de altura e o Wolverine dos quadrinhos era atarracado.

    Eugenia, aguardaremos os relatos da feita!

    ;***

    Responder
  7. cris

    oi, dadi, querida. eu nunca comentei aqui, mas sou uma leitora fervorosa dos seus posts. essa semana eu fiz iogurte natural seguindo as suas dicas e ficou MARAVILHOSO! estou em casa de molho por um problema na perna e inventar coisas na cozinha é das únicas coisas que eu posso fazer e que me distraem. um dia eu mando um email contando como libertei a minha dadivosa. ah! e você não é só uma artista das panelas: escreve maravilhosamente bem. um grande beijo.

    Responder
  8. Ricardo

    Minha Senhora,
    O Ceguinho no Churrasco vem notificar V.Sa., para os devidos efeitos legais, que a concorrência desleal é coisa feia!. Assim, perco a clientela.
    Tá bonito isso, hein? Cravejado de pimentas, então! Sem querer você avivou minha memória para uma idéia antiga: escrever sobre carne “sangrenta”, a mais verdadeira das mentiras.
    Abraços.

    Responder
  9. Karla

    Dadi,
    ela sela a carne e vai virando até o ponto, no molho que fica na panela ela coloca um pouco de vinho, deixa evaporar, vai colocando pouquísima água e mexendo até encorpar e ficar grossinho, da cor de ferrugem, uma delícia.
    Bom dia!!

    Responder
  10. Dadivosa

    Cris, fiquei tão feliz em saber que seu iogurte vingou! Obrigada pela visita e pela boa notícia. Espero que sua perna melhore logo, viu?

    Verena, não sou assim muito carnívora, nem tenho grandes restrições quanto ao ponto da carne, mas nesse dia… ah, nesse dia a coisa precisava ser selvagem mesmo 🙂

    Ricardo-ceguinho-olho-vivo, nem de longe poderia eu ameaçar sua supermacia churrasqueira! Vou aguardar ansiosamente seu relato sobre essa mentira verdadeira ;*

    Carla, saudade? É só fazer, menina, facinho…

    Eliana, olhando agora pra ele me deu vontade de comer de novo hahaha

    Karla, obrigada pela receita, vou testar da próxima vez!

    ;***

    Responder
  11. o avental

    Não sei o que me atrai mais no seu blogue, se as suas receitas, se a sua escrita. Penso que seria uma injustiça destrinçá-las. No entanto, como escrever bem é muito mais raro que cozinha excelente, e como gosto mais de ler qualidade que de cozinhar, estava tentado a cometer a dita injustiça. Afinal cada coisa no seu nível. Uma não substitui a outra e aqui contribuem sinergicamente para a qualidade do blogue. Entretanto, é a primeira vez que vejo um rosbife “aux poivres”, deve ser bem bom. Um dia destes vou fazer um assim, com as pimentinhas agarradas, mas em tacho aberto, à mesma com azeite, e em lume forte. Creio que assim a carne sela mais depressa, talvez por o meu forno não passar dos 250ºC.

    Responder
  12. Ricardo

    Dadi.
    Comecei a comer esse rosbife com os olhos e ouvidos, e achei delicioso.
    Amahã colocarei toda minha fúria carnívora sobre este belo exemplar, seja lá qual o fator Rh.
    Estou conente com minha pesquisa.

    Obrigado pela dica.

    Grande Abraço.

    Ricardo.

    Responder
  13. lilli

    oi! eu fiz esse rosbife e ficou inacreditavelmente delicioso. acho q foi o melhor que eu já comi, e, que orgulho, feito por mim! haha obrigada pela receita, vou repetir sempre.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Post aleatório

Utilidades do Lar

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail