Simples Assim

Num dia de burocracia imensa em que o almoço aconteceu às 18:23, a fome e a sede fizeram-se torpor e paciência.

Foi-me natural sublimar os desejos físicos para enfrentar fila, triagem, chamado, levanta, senta, carimba, protocola, registra, assina, espera, corrige, submete, desculpa, retifica, agenda, solicita…

Pontos de interrogação partiam dos cocurutos dos integrantes da fila em direção aos funcionários, que flanavam sorridentes e amáveis, alheios à insalubridade dos movimentos e discursos repetitivos, das montanhas de pastas e do barulho de grampeador.

Como o sapateiro olha para o sapato, tracei de imediato um paralelo com o mundo das comidas e comparei minha perplexidade diante dos processos à sensação que pode acometer os não-iniciados na cozinha que por acaso batam os olhos num desses maravilhosamente bem produzidos programas de culinária:

  • Como, digam-me, como essa senhora pode sorrir e fritar bolinhos em óleo quente ao mesmo tempo?
  • Quando em dia de vida saberei de cor o nome de todos esses utensílios?
  • Por que a moça usa tantas panelas coloridas de tamanhos e formatos diferentes?
  • Será que meu macarrão nunca fica bom porque não tenho esse tal de medidor de espaguete?
  • Qual a influência do estilo pós-moderno do avental no ponto do nhoque?
  • O pão cresce mais quando a farinha é retirada de um belo pote de cerâmica em vez de vir direto da embalagem?

Embora lindos e estilosos, alguns programas causam no incauto espectador avesso à cozinha a mesma sensação de impotência por que somos acometidos diante da burocracia de alguns órgãos públicos.

O fácil torna-se difícil, tudo tem mil etapas e detalhes, utensílios ainda por lançar no mercado, formatos (e preços) esdrúxulos para ferramentas tão prosaicas como um abridor de latas. Temo não ser difícil de se perder a noção do todo e do que realmente importa na hora de cozinhar.

Imbuída do espírito da frugalidade, convicta de que não é necessário dispor de instalações cinematográficas para lançar-se à cozinha e dando continuidade ao meu projeto de procurar mostrar às pessoas que é simples, fácil e gostoso cozinhar, neutralizei a complicação do dia burocrático com uma pequena omelete.

Ingredientes:

  • 2 ovos
  • 1/2 colher de sopa de salsa picadinha
  • pitada de sal
  • 1/2 colher de sopa de azeite

Como fazer:

  1. Quebre os ovos num prato fundo, vasilha de plástico, caneca ou copo. O recipiente não importa, use o que estiver à mão.
  2. Adicione uma pitada de sal e a salsinha e mexa com o garfo só para misturar a clara e a gema. Não carece de batedor especial, nem de muitos segundos de função.
  3. Leve uma frigideira pequena ao fogo, daquelas encontráveis em qualquer lugar. Coloque nela o azeite e faça-a rebolar, mexendo-a pelo cabo para untá-la bem. Aguarde aquecer em fogo baixo.
  4. Despeje a mistura de ovos na frigideira quente e cubra-a com qualquer tampa de panela ou prato que passar pelo caminho. Espie de quando em quando. O objetivo é que a superfície solidifique, assim não haverá balbúrdia na hora de virar a omelete.
  5. Se tiver uma espátula, use-a para virar a omelete sem medo. Você também pode recrutar a ajuda de uma colher comum (desde que não o raspe na frigideira) ou uma de pau. O protocolo, aqui, pouco importa. Basta que se tenha virado a omelete para sapecar o outro lado.
  6. Sirva como preferir, com ou sem assinatura, em quantas vias desejar, sem aporrinhações, agendamentos, petições, esperas nem delongas. Simples assim.



22 comentários em “Simples Assim

  1. Samis

    Booom dia !!
    Estava com saudades dos seus posts !!é vicio ..heheh
    Ahh davidosa ,eu concordo com vc ,mas to louca pra comprar uns ramekins coloridos e me recuso a fazer qualquer sufle ou creme ou etc..antes de compra-los,vai entender ..hahaha

    Responder
  2. V

    A geladeira aqui se revoltou e resolveu definir a temperatura por conta própria.
    Que no caso, ontem a noite se revelou polar e hoje pela manhã, equatoriana.
    Tudo o que eu tenho – que não virou uma massa irreconhecível no processo de congelar e descongelar – são os singelos ovos desta receita, que estavam protegidos numa caixinha fora dela e o azeite que reina sempre absoluto em minha despensa…

    Vou ter que passar sem a graça da salsinha, mas ainda assim: O almoço está salvo!!!

    Obrigada!

    Responder
  3. Cravo da Índia

    Uiii.. Burocracias. Esses dias de espera desespera paciência nehuma e mantém-o-sorriso-enquanto-alguém-destrabalha… Uma omelete é uma bela ideia, mas, de preferência, acompanhada com um vinho do céu!

    Responder
  4. marta

    dadi, já estava preocupada com vc!!! fazia tempo que não vinha uma notinha nova! entro aqui varias vezes e …nada…só aquele do empório…achei que vc estivesse de ferias! talvez escrevendo um livro..( que seria hiper benvindo!!!) .mas enfim, vc esta aqui! beleza! concordo com vc em tudo, que raiva aquele povo todo lindo, arrumadinho, maquiado, fritando e cozinhando e nem cai uma gota de suor ou acontece um desastre!!! cruzes!!! cada coisa linda e ultra higth tec nas ditas cozinhas…diferente das nossas reais…por isso adoro vc e sua escrita, vc é gente igual à nós!!! beijos

    Responder
  5. Reginaldo

    Dá, vc ta alcancando um nível novo de literatura nos seus posts! Excelente! 🙂
    E eu acho que omeletes são machos… Afinal, sáo fáceis, baratos e simples, quase primitivos! 😉

    Responder
  6. Dadivosa

    Samis, obrigada pelo carinho, também eu andava saudosa de poder escrever. Quanto aos ramequins, tenho para mim que fazem parte de uma outra categoria de utensílios, da qual pretendo falar em breve 🙂

    V, que maçada! Enfrentei o mesmo problema no ano passado, tive de buscar socorro na autorizada, mas ao fim e ao cabo deu tudo certo. Na falta da salsinha, empregue alguma outra herbácia que tenha em casa, pode ser até das secas. Desejo melhoras à geladeira!

    Elvira, sobretudo quando não se necessita de mais complicação, né?

    Cláudia, eu sou vidrada em utensílios e novidades para a cozinha, mas acho importante falar que é bem possível nos virarmos sem a maioria deles, né?

    Cravo da Índia, creio que nunca bebi um vinho do céu, mas gostei do nome e vou buscar saber o que significa ;*

    marta, querida, adoraria estar a escrever um livro. Peço desculpas pela falta de notícias, mas cá estou de volta. Fico absolutamente hipnotizada com a destreza desses chefs-estrelas-fotogênicos-impecáveis, mas não me abalo e até acho graça da minha estabanação 😉

    Reginaldo, interessantíssima sua justificativa, não havia pensado nisso! Machos ou fêmeas, omeletes me parecem sobretudo volúveis e adaptáveis 😀

    ;***

    Responder
  7. augusto

    oi querida leitura, boa a receita.

    explica por que nunca fiz nenhuma omelete bacanamente, acho que faltei nessa aula de “…fazê-la rebolar, mexendo pelo cabo…” . vou tentar, mas tenho problemas com esse negócio de rebolar, me envolvo emocionalmente atôa, atôa.

    e até na beirada da falta de paciência, seu texto continua uma coisa, muito charmoso.

    Responder
  8. Ivan

    Me resolvesse um problemão com essa história da tampa. Virar a omelete era sempre uma operação complicadíssima por causa do dorso ainda líquido (omelete tem dorso?).

    ¡Gracias!

    Responder
  9. Dadivosa

    Luna, tomara!!

    Augusto, não se acanhe. Aproveite para entrar na dança e acompanhar o rebolado da frigideira 😉

    Dé, outras para você!

    Ivan, que alegria ler isso! Não sei se omelete tem dorso não. Sei que pode ser menina e menino ao mesmo tempo e isso me lembrou uma musiquinha de infância:
    “- Minhoco, minhoca / Me dá uma beijoca
    – Não dou, não dou
    – Então eu vou roubar (smack smack)
    – Seu bobo, seu bobo / Você beijou errado/ A boca é do outro lado!”

    Agdah, já passou ;***

    Responder
  10. Karla

    Tava com saudade dos post, Dadi.
    Essa omelete tá com uma cara ótima e que delícia ler o texto.
    Vc sabe que tô na fila, aguardando o livro, ok?
    Beijo

    Responder
  11. Silvia Arruda

    Dadi, tô com vc e não abro. Eu te ajudo a reforçar seu lema de que cozinhar é simples, fácil e gostoso a todo mundo que eu conheço. Sem complicação e sem frescuras. E omelete é tudo de bom, hein?
    Beijos

    Responder
  12. Pingback: Dadivosa » Talismãs Culinários

  13. Thaíse Félix

    Nossa!Amei o paralelo q vc fez entre toda a burocracia de um órgão público e a cozinha. Isso chama-se inteligência! Parabéns por isso, e pelas receitas! Sei q esse post é antigo pelas datas,mas estou aqui pela primeira vez, vim procurar receita para grão de bico,no google, e achei esse blog. Amei! Vou prepará-los e conto depois como ficou.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail