Como fazer Guefilte Fish – receita de vó

No meu entendimento, cozinhar com a vó – própria ou alheia – é sempre uma dádiva, um privilégio. São algumas horas (porque comida de vó não se faz em 15 minutos) ali, trocando receitas, ouvindo e contando causos, tentando absorver de alguma forma toda aquela sapiência que só os anos da delicadeza oferece. Delicadeza e impertinência, que se vocês se tornarem íntimas o suficiente logo aparecem a audição seletiva, a teimosia, uma que outra bronca dirigida a você ou a um passante na rua.

Já perdi as esperanças de anotar a receita durante esses encontros. Em parte, para poder aproveitar melhor a companhia, em parte porque elas, as vós, não costumam ter medidas. É um tal de jato de vinagre pra cá, um punhado de farinha pra lá e sal até ficar bom que mesmo que você filme o processo e anote tudo ela vai fazer tudo diferente da próxima vez. E vai ficar bom igual.

É preciso muita generosidade para se compartilhar esse momento neta-vó. E na semana passada uma amiga me fez esse gesto assim, do nada. “Sábado vou na minha vó fazer guefilte fish, vamos?”. “Claro!!!”. Assim como as cucas de banana da Oma, o molho de tomate da Nonna e as esfihas da Vogra (que continua sendo, já que sogra é para sempre e não existe ex-vó), o guefilte fish de uma vó judia é só dela. Cada uma vai ter uma receita e sempre vai ser a melhor, a certa, a mais gostosa.

O dia começou cedo, com uma ida à feira com a amiga. Quis levar flores para a Dona Clara. Será que ela vai gostar destas? Como será que ela vai reagir à presença de uma estranha em sua cozinha? Será que ela vai gostar de mim? Quebrarei alguma louça? Quantas gafes serei capaz de cometer? Seremos amigas?

Apaixonei-me pela Dona Clara assim que a vi. Ganhei abraço e beijo. E ela me emprestou um avental, que na correria tinha esquecido de levar. Ela me mostrou a casa, as fotos da família decorando móveis e paredes e partimos para a ação.

O guefilte fish é um bolinho de peixe que se costuma comer na páscoa judaica, o Pessach. Dona Clara tinha na geladeira, já limpos, 4 kg de carpa e 4 kg de traíra. Também já tinha descascado umas 10 cebolas enormes. Está aí outra verdade quando se cozinha com vó: por mais que você avise que vai querer acompanhar tudo desde o comecinho e que não quer que ela tenha trabalho, ela sempre, sempre vai começar antes de você chegar.

Apesar de ter caído no dia anterior e de sentirmos o cheiro de cânfora da pomada que passou nos joelhos muito roxos, Dona Clara estacionou a bengala na bancada da pia e não nos deu descanso. Ignorou com cara de paisagem todos os apelos que fizemos para que ela se sentasse.

Peguei umas cebolas pra picar. Na mão mesmo, que o espaço era escasso. Enquanto retirava os machucadinhos e fazia os pedaços com a faca, ouvi Dona Clara dizer à neta: “Gostei dela, ela faz como eu quero”. Comecei a lacrimejar, um vexame, e passei a faca à amiga. Agora era preciso passar tudo pela máquina maravilhosa, pedaços de peixe e pedaços de cebola. Dona Clara ensinou como faz, com uma agilidade que transformou quase todas as fotos em um borrão. Sobrou esta:

“São dois ovos por quilo de peixe”, ela disse. Mas contamos e, em vez de 16, ela colocou 14. “Está bom.” Então tá. Um a um, ela quebrava os ovos em uma vasilha antes de adicionar ao peixe.

E a astúcia que sigo em casa provou-se mais uma vez bem útil, pois um dos ovos estava podre. “Tá vendo?” E desapareceu e reapareceu em um segundo, com um spray desses que se colam nas paredes do banheiro. Espirrou aquele perfume forte pela cozinha toda, para o espanto e tosse das duas testemunhas. Se o guefilte fish sairá com aroma do campo, não sabemos ainda.

Não consegui precisar a quantidade de sal e açúcar com que o peixe foi temperado. Mas sabia que chegava a hora menos agradável do dia: provar um tequinho daquela mistura de peixe cru, com ovo cru e cebola crua moída pra ver se estava no ponto. Não estava. Foram necessárias mais umas duas provas daquele negócio. Tempero nos trinques, era preciso adicionar a farinha de matzá.

 Pelas minhas contas, foi mais ou menos uma xícara, mas não se fiem. A consistência da massa é de almôndega molinha (por falta de referência melhor). Há quem faça o guefilte fish em bolinhas, tal como as almôndegas. Dona Clara faz tijolinhos, que embala em papel manteiga e congela até o dia de cozinhar no caldo de peixe. Conseguimos fazer com que ela sentasse para demonstrar como fazia os bolinhos.

 “Ela é bem jeitosinha”. A essas alturas, eu já estava me achando.

Alternamos, amiga e eu, a feitura dos pacotes, que foram guardados no freezer “do quartinho”. Missão cumprida, fomos conversar um pouco. Dona Clara se trocou, pôs um batom vermelho e dei-lhe um beijo na bochecha, registrado em foto (se ela autorizar, coloco aqui). Fomos almoçar numa cantina e a deixamos na manicure. Não sem antes ganhar mais beijos e ouvir que eu podia ligar para ela, que já éramos amigas. E eu nem quebrei nada.

 

Daqui a pouco saberei o resultado desse guefilte fish. É que a amiga, em mais uma demonstração de generosidade e tolerância com a crença alheia, convidou-me a passar a primeira noite do Pessah em sua casa. Escrevo isso correndo para me aprontar, pois vou ajudar na cozinha também. E espero não cometer nenhuma gafe… quando avistar a mesa, pretendo não soltar um “Jesus Cristinho, quanta comida!”

 

Boa Páscoa e Chag Sameach a todos!



6 comentários em “Como fazer Guefilte Fish – receita de vó

  1. Silvana Rodrigues

    Olá!
    É a primeira vez que entro no seu blog e gostei muito.
    Estou curiosa para saber mais sobre esta farinha de matza, poderia dar mais informações?
    Parabéns e feliz Páscoa!
    Silvana

    Responder
  2. Izabel

    O seu post é praticamente um conto de Páscoa. Me identifiquei muito com a situação pois gosto de estar e conversar com pessoas mais experientes. Tudo de bom.

    Responder
  3. Graça

    Que saudades de um textinho!!:) Ainda por cima este fez-me voar para outras paragens e imaginar outros cheiros e sabores, tão diferentes da nossa Páscoa…mas tão iguais no carinho das Avós…Beijos a todos

    Responder
  4. Silvia

    Que ótimo estares de volta!!! Mais um post delicioso…. Com todo o sentimento de cozinha de vó… Vc é mesmo uma ” artista”, dira a minha…..rs. Bjs e sempre na sua cola!! ( ah! Eu sou uma silvia q te segue no blog há tempos e chegamos a nos falar, vc ia herdaruma coleção de revistas americanas de cozinha, que infelizmente foram parar na reciclagem porconta das sua andanças…. Se vc ainda tiv planos pra encontrar o povo do blogue, avise!!! Bjs!!)

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail