“Não me esquece de levar o lábane, fiiilha!”

Eis que, ao contrair matrimônio, fui presenteada com uma vogra que, como já falei, é a mistura de vó com sogra. E eis que ela nasceu na Palestina, veio pro Brasil, morou um tempão na Argentina e está aqui de novo há muito tempo. 

Minha vogra tem 81 anos num corpinho de 60 e cabeça de 30, dirige seu Golzinho por tudo que é canto, faz hidroginástica, pinta quadros, trabalha como voluntária na igreja, faz tricô “pros velhinho do asilo”, tudo isso com saúde-pra-dar-e-vender-graças-a-Deus. Essa velhinha sabe das coisas. Velhinha sim, com muito carinho, que mesmo antes de casar eu já possuía a licença poética pra chamá-la assim :)

Diz ela que o segredo da longevidade está na ingestão diária de iogurte e coalhada seca. Quando tomamos o café-da-manhã lá é sempre assim:

– Filha, não vai tomar um halib?
– Não, velhinha, eu gosto do café puro mesmo.
– Mas filha, faz bem, tem cálcio, evita a osteo, esteo, estopo…
– … osteoporose? Mas eu já vou comer labane.
– Ai, que linda, filha! Labane é bom pra pele, pro estômago, pro intestino…

Sabe o filme O Casamento Grego? O pai da Toula não vivia recomendando vidrex pra tudo o que era enfermidade? Pois na casa da minha vogra, o labane tem quase o mesmo status.

Labane (lê-se lábane) é como os árabes chamam a coalhada seca. O iogurte, que é o ingrediente principal da coalhada, é chamado de laban (lê-se lában). E eu, que não sou boba nem nada e já sabia das maravilhas do laban, aderi lépida e fagueira à ingestão diária do labane, o queijo dos beduínos.

Dia desses a vogra me ligou pra contar que tinha mandado costurar pra mim um saco de fazer labane! Trata-se de uma saca dessas de farinha, alvejada e costurada como saco mesmo, muito branquinha e limpa.

Pois anteontem, na seca de cozinhar e sem tempo para nada, consegui cinco minutinhos para iniciar a feitura do meu primeiro potinho de labane.

Usei 750 ml de iogurte desnatado que eu mesma fiz em casa. Abri o saco (limpíssimo, destinado somente a esse fim), despejei ali o iogurte. Fechei o saco, dei uma leve torcida na parte que sobrou, pendurei o saco na torneira da pia da cozinha e fui cuidar de meus compromissos. Isso foi por volta das 19 horas de quarta-feira.

No dia seguinte, por volta das sete da manhã, o saco estava bem mais murcho, muito soro tinha saído. Abri o saco com cuidado e suspense… ai que lindo, fiiilha! A coalhada estava lá: firme, pastosa, branquinha e exalando saúde! Deu uns 200 ml, mais ou menos.

Daqui para a frente, precisei de muita coragem, pois era a hora de temperar o labane. Uma pitadinha de açúcar, um fio generoso de azeite, uma pitada um pouco maior de sal, mexe-mexe-mexe. Acho que carreguei um pouco no açúcar. Mais sal. Agora sim!

Aprendi a fazer, apesar de precisar aperfeiçoar a técnica, mas não vou deixar de pegar meu potinho mágico, né? Porque tem mais uma fala que eu adoro dessa velhinha:

– Fiiilha, esse labane tá um quilo! Experimenta! Já reservei um potinho pra você, tá aqui ó, não me esquece de levar, hein? Viu? Ó, vou botar junto da tua bolsa, assim você não esquece.



34 comentários em ““Não me esquece de levar o lábane, fiiilha!”

  1. Patricia Scarpin

    Dadivosa, tenho uma proposta a fazer: vamos “dividir” a vogra? Fico com ela segundas, quartas e sextas; você, terças, quintas e sábados. Abro mão do domingo pra vc, já que vc viu primeiro… risos

    Amei a idéia do labane. Fiquei tentada a experimentar!!

    Iogurte é tudo de bom pra saúde e a coalhada que vc fez tb, né?

    Um super beijo e obrigada por nos ensinar isso tudo!

    Responder
  2. Dadivosa

    Patrícia, querida, essa velhinha é super concorrida! Vamos ter de negociar com mais gente, viu? ahhaha

    Experimente fazer o labane sim. Eu, que não tenho sangue árabe, nem nunca tinha tentado, consegui de primeira! Basta ter “saco” hahah.

    Fico contente de poder dividir as prendas culinárias que me ensinam por aí ;***

    Responder
  3. Gorete

    Que vogra maravilhosa vc tem, Dadivosa! Além do filho, carinho e afeto, ela ainda te transfere esses conhecimentos ancestrais que são valiosíssimos, mas que não têm preço! Vai escrevendo, registrando, e o que não for da vida privada, passa aqui para suas/seus coleguinhas de ofício. Essa, do iogurte e da colhada foi de matar. Tks
    Bjs

    Responder
  4. Dadivosa

    Eliana, do jeito que eu pendurei o saco, o soro só cai no inox da cuba da pia, sabe?
    Ah, e outra dica da vogra: colocar um saco plástico ao redor do saco do labane, amarrar em cima e fazer um furinho embaixo pra escorrer :)
    Essa do mármore eu não conhecia não!
    ;***

    Responder
  5. Eliane

    Dadivosa.Achei seu site hoje e estou encantada. Fiz até propaganda dele num site chamado Cyber Cook q também é muito bom.Que receitas boas q vc tem! parabéns! Ficarei fã de carteirinha.
    Bjs e muito sucesso.
    Eliane de Moraes

    Responder
  6. Dadivosa

    Eliane, seja muito bem-vinda! Que bom que você gosta das receitas, isso me deixa muito feliz e empolgada pra continuar a escrever :)
    Obrigada pela visita e pelo comentário querido.
    Fique à vontade por aqui!
    bjs
    ;***

    Responder
  7. Daniela

    Dadi, adorei esse post! Sabe que como descendente de libaneses eu sou louquinha por coalhada, mas não tenho esse saco especial não. Onde consigo?
    Sua vogra deve ser um barato! Minha avó está com 85 anos e como ela tb faz colchas de crochê “pros velhinhos dos asilos”.
    Beijão

    Responder
  8. Dadivosa

    Hahah
    A vogra faz cachecol, chapeuzinho, gorros e mantas pro asilo. E a maioria dos velhinhos nem chegou na idade dela ainda!
    Dani, sabe aqueles sacos de limpar o chão, que vende no farol e tudo? É um igual, bem alvejado, só que com uma costurinha mais caprichada, sem fiapos. Acho que se você comprar um saco desses e pedir pra qualquer costureira dar uma reforçada nas costurinhas vai ficar igual. Vou tentar fazer uma foto do meu saco e mostrar pra vocês ;)
    Andei pesquisando por aí e descobri que, se você for fazer poquinho labane, pode usar daqueles filtros de café que vai dar o mesmo efeito.
    beijos pra você e pra vó querida e boa sorte com sua coalhadinha ;***

    Responder
  9. miki

    dadivosa, que história mais linda! adoro histórias!
    e me conta, como é esse tal saquinho mágico? é difícil de fazer?
    eu AMO coalhada seca, às vezes tenho ataques de lombriga de comer coalhada. sabe, às 4 da tarde com cream cracker e um café passado na hora? hmmmmmmmmmmmm. tudo de bom!
    bom, agora vou “bater um bolinho”!
    bjs, miki

    Responder
  10. Ana

    Oi!
    Meu nome eh Ana, tbem tenho um blog culinario (em ingles), e estou adorando visitar voce!
    Gostei muito do seu blog, e adorei o post de hoje! Eu sou adepta ao iogurte, tomo todo santo dia, sem excecao, um copo de iogurte no cafeda manha!
    Alem de adorar e achar delicioso, sei q eh bom p/ a saude, e sem duvida me ajuda a ficar “em dia” (sabe como eh, meu organismo nao eh la muito bem “regulado”… hehe!).
    Prazer em conhece-la, vou vim visitar sempre! Posso colocar seu blog na lista de favoritos do meu blog?!
    Obrigada!
    Ana

    Responder
  11. Ana

    Oi!
    eu de novo!
    Sabe, eu ia perguntar se eu dissorar o iogurte em filtro de coar cafe se fica a mesma coisa?! Eu AMO iogurte, e vivo “draining” (dissorando?) o meu. Nao sabia q isso chamava coalhada seca… ta vendo so! Achei q era diferente p/ fazer. Eu deixo o meu escorrer durante a noite, coloco uma peneira numa tigela, forro com papel toalha (ou filtro de papel de cafe), ponho o iogurte dentro, tampo e deixo escorrer dentro da geladeira mesmo. (achei q nao podia deixar fora…).
    Adoro comer iogurte mais grossinho, eh bom demais! Agora preciso temprar o meu um dia como vc ensinou!
    Muitas receitas boas por aqui!
    Ah, e tenta tirar uma foto ai do seu “saco poderoso”, fiquei curiosa!
    Ana

    Responder
  12. Akemi

    Adorei a história! Sua vogra é uma gracinha! Amei mesmo sem conhecê-la! Esta (ou este) labane me deixou com vontade também! Vou tentar fazer aqui! Obrigada pela dica! Beijos!

    Responder
  13. Dadivosa

    Miki, expliquei como é o saco-mágico ali mais pra cima, nos comentários mesmo.

    Akemi, andei lendo umas coisas sobre coalhada seca e descobri que, caso você prefira fazer o iogurte em casa usando um potinho de iogurte pronto, precisa tomar cuidado para usar algum que não tenha amido na composição. Isso porque o amido não deixa o iogurte criar o soro.
    beijo e depois me contem
    ;***

    Responder
  14. Dadivosa

    Ana, seja bem-vinda!
    Pode sim, usar o filtro de café para escorrer o iogurte sem problemas. O saco é bom quando a gente faz uma quantidade maior, mas o princípio é o mesmo. E agora dá licença que vou ali visitar seu blog :)
    Beijusss

    Responder
  15. miki

    dadivosa, depois que tinha postado q vi a “antice” q tinha cometido :-D!
    tks anyway! vou testar um dia desses ;-).
    a propósito, outro dia fiz aquele seu pão… mas era um “bad hair day” e (quase) tudo o que eu tentei fazer na cozinha deu errado, então, vamos combinar que daquela vez não valeu!
    bjs, miki

    Responder
  16. miki

    hahaha, pode crer, dadivosa! mas a boa notícia é q consegui – finalmente – fazer um pao fofinho (uma outra receita q pretendo postar em breve)!
    hmmm majdra é arroz com lentilha, não é? eu adoro!
    bjs, miki

    Responder
  17. renata

    Dadivosa, a tua vogra vale ouro ! Li na comunidade de comida árabe lá no orkut sobre esta técnica.Sempre como coalhada seca quando vou a um restaurante árabe aqui em Brasília mas fazer que é bom nada. Acatarei a idéia. Bj

    Responder
  18. miki

    dadivosa! meu labane ficou um quiiiiilo!
    estive fora do ar por uns dias (se quiser saber o porquê, é só clicar no meu nome aí em cima – rs) mas a receita do pão (e outras q estão na fila, rs) vão pro ar em breve ;-).
    bjs!
    miki

    Responder
  19. marilza abrahão

    Buscando a receita de uma colcha de croche para fazer para minhas netas deparei-me com sua presnça na web… fiquei encantada com a sua vogra, pois lembrou-me minha vó, nordestina do sertão, vogra de meu pai que era árabe! ela aprendeu a fazer comida árabe quando minha mãe (também nordestina) faleceu, com trinta e sete anos deixando-nos todos órfãos, inclusive meu pai…. era só carinho.
    Lembro-me do saqunho de escorrer a qualhada e os potes cheios de azeite com as bolinhas de qualhada seca, para comer com o pão-sírio….
    Hoje, aos sessenta, vejo meus netos adorando a mesma comida e penso que tecer a vida é como tecer a colcha de coche… vai nos levar ao infinito.
    Obrigado por despertar tão preciosas lembranças….

    Responder
  20. Édison de Sousa Campos

    gostei muito da sua vogra, ela é um exemplo de vida gostaria de chegar na idade dela com esta vitalidade, pelomenos tem uma coisa boa para min, gosto de coalhada desde criança, moro no Rio de Janeiro , gostaria de saber onde comprar o soro para fazer coalhada. saldaçoes fraternas.

    Responder
  21. Pingback: Iogurte Grego: Nestlé e Vigor | PratoFundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail